Seleção CLIMÁTICA: Quatro publicações para entender o racismo ambiental

pexels julia volk

A questão ambiental cada vez mais se impõe como um dos principais desafios da sociedade moderna. E é inevitável que ele se choque com outros dilemas e questões que se desenvolvem e se aprofundam à medida que mais pessoas vão tendo acesso à informação e à comunicação. Uma dessas zonas de discussão é o chamado racismo ambiental, que mostra como quase sempre as principais vítimas das tragédias decorrentes da crise climática são as mesmas comunidades e pessoas que também são alvos do racismo, seja estrutural, institucional ou individual.

 

A discussão ganha ainda mais calor quando o tema é tratado de forma meramente semântica, em que seus detratores desmerecem a expressão como se fosse um problema fictício ou desproporcional. CLIMÁTICA indica quatro publicações (sendo três delas gratuitas e online) para se aprofundar no tema.

 

Quem Precisa de Justiça Climática no Brasil? (Gênero e Clima/Observatório do Clima)

Com prefácio de Marina Silva, atual ministra do Meio Ambiente, o livro produzido coletivamente pode ser baixado gratuitamente no site da editora. A publicação estabelece seus objetivos já na apresentação, ao dizer que pretende pesquisar e apresentar conceitos e dados sobre o tema no Brasil, sistematizar informações sobre justiça climática partir de uma perspectiva internacional e reunir narrativas para ilustrar a dimensão múltipla do conceito e prática de justiça climática, considerando as perspectivas de gênero, raça e lugar social. O livro reúne artigos de diferentes autores (em sua maioria mulheres) e referências bibliográficas. Baixe aqui.

 

Racismo Ambiental Emergências Climáticas no Brasil (Instituto Peregum)

Outra antologia de artigos feita coletivamente, o volume foi organizado pela professora Mariana Belmont, que reuniu outros professores e especialistas, tanto em tendências climáticas quanto em humanidades, para abordar o assunto em capítulos que se explicam a partir dos títulos, como “Ecoafricanidades: entre o natural e o antrópico, o caminho é grande”, “Panorama das mudanças climáticas no Brasil e seus impactos no território” e “Comunicação das mudanças climáticas: disputa de narrativa”. A primeira parte do livro é apresentada em formato de curso e a segunda traz textos complementares sobre o tema. O livro também pode ser baixado gratuitamente no site do Instituto de Resistência Negra Peregum.

 

Diálogos Socioambientais: Racismo Ambiental

A revista Diálogos Socioambientais é publicada pelo Grupo de Acompanhamento e Estudos de Governança Ambiental (GovAmb) e pelo Laboratório de Planejamento Territorial, o último ligado à Universidade Federal do ABC. Originalmente vinculada a um projeto da Fapesp chamado Governança Ambiental da Macrometropole Paulista face à Variabilidade Climática – MacroAmb, a revista aborda temas para além do estado de São Paulo. A edição sobre Racismo Ambiental é o número 17 da publicação, teve edição feita por Ana Sanches e Mariana Belmont e reúne tanto artigos acadêmicos, como abordagens voltadas a jovens, poemas e artes visuais, além de entrevistas. Baixe aqui.

 

Uma ecologia decolonial – Pensar a partir do mundo caribenho – Malcom Ferdinand (Ubu)

Criticando o o que chama de “dupla fratura colonial e ambiental da modernidade”, o estudioso martinicano parte do ponto de vista caribenho para desconstruir o colonialismo e mostrar como as questões climáticas e raciais estão intimamente relacionadas a partir do momento em que a escravidão passou a funcionar como motor de propulsão do sistema colonial. A edição brasileira do livro conta com prefácio da pensadora norte-americana Angela Davis. Compre aqui.

Conteúdos relacionados

asian city with waterfront

ARTIGO | Os desafios que Belém deve superar até a COP 30, em novembro de 2025

ARTIGO | A importância da conservação da biodiversidade

amarofreitas

Amaro Freitas: “Agimos como se fôssemos extraterrestres no nosso próprio planeta”

pexels lagosfoodbank

ARTIGO | Mudanças Climáticas: preocupação mundial com os impactos das atividades humanas e as discussões internacionais