Oceans 20 é marco histórico com protagonismo do Brasil

pexels pixabay

Em março um marco ambiental colocou o Brasil em posição de protagonismo. Estreando sob a presidência brasileira do G20, o Oceans 20 surge como um desdobramento natural dos esforços liderados pelos ciclos anteriores, encabeçados pela Indonésia e pela Índia, para o reconhecimento do oceano nas agendas globais e de engajamento da sociedade civil.

 

A criação do Oceans20 pela Presidência Brasileira no G20 é um marco histórico de reconhecimento do papel central do oceano nas agendas globais de clima.  Em 18 de março ocorreu a primeira reunião do grupo, realizada no Rio de Janeiro, com falas reforçando a dificuldade em ampliar a participação da sociedade e como os próximos encontros (serão mais dois) terão papel estratégico na decisão sobre quais assuntos envolvendo o oceano entrarão na pauta do G20, cuja reunião de cúpula ocorrerá em novembro no Rio.

 

 

O Oceans 20 é coordenado pela Cátedra Unesco para a Sustentabilidade do Oceano em colaboração com outras entidades, com o Fórum Econômico Mundial, o Pacto Global da ONU e o Instituto Nacional de Pesquisas Oceânicas (INPO). É possível assistir às discussões do primeiro encontro pelo link disponibilizado pelo evento. O O20 reúne organizações não governamentais, iniciativa privada, povos indígenas, comunidades tradicionais e cientistas.

 

 

Conteúdos relacionados

asian city with waterfront

ARTIGO | Os desafios que Belém deve superar até a COP 30, em novembro de 2025

ARTIGO | A importância da conservação da biodiversidade

amarofreitas

Amaro Freitas: “Agimos como se fôssemos extraterrestres no nosso próprio planeta”

pexels lagosfoodbank

ARTIGO | Mudanças Climáticas: preocupação mundial com os impactos das atividades humanas e as discussões internacionais