A energia nuclear voltou com tudo?

Notícias A energia nuclear voltou com tudo

A polêmica sobre seu uso persiste. A viabilidade de novas usinas nucleares esbarra nos desastres de Chernobyl (1986) e de Fukushima (2011) como fortes argumentos contrários, além do próprio gerenciamento dos resíduos radioativos e do altíssimo investimento para sua implementação.

 

E embora as usinas nucleares não emitam dióxido de carbono (CO2) na produção de energia, as emissões associadas à mineração, ao transporte e à construção dessas instalações podem contribuir para as emissões totais. A própria extração de urânio para uso nos reatores gera impactos ambientais significativos, que incluem a degradação do solo e a contaminação da água.

 

Mas anúncios de novos investimentos em energia nuclear em pelo menos 20 países reacendem o debate hoje. A possibilidade de reduzir rapidamente as emissões de gases do efeito estufa com a energia nuclear é um dos argumentos a favor. A guerra na Ucrânia também impulsiona a busca por alternativas ao petróleo e ao gás produzido na Rússia e atenta para a necessidade de não dependência dos combustíveis fornecidos pelo país de Vladimir Putin.

 

Para saber mais: Folha

Conteúdos relacionados

asian city with waterfront

ARTIGO | Os desafios que Belém deve superar até a COP 30, em novembro de 2025

ARTIGO | A importância da conservação da biodiversidade

amarofreitas

Amaro Freitas: “Agimos como se fôssemos extraterrestres no nosso próprio planeta”

pexels lagosfoodbank

ARTIGO | Mudanças Climáticas: preocupação mundial com os impactos das atividades humanas e as discussões internacionais